Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aí não se mexe!

01
Jun20

Eles hoje são os meus super-heróis!

Nunca tive super-heróis de banda desenhada. Quando era miúda a única banda desenhada que lia era o Tio Patinhas e a Mafaldinha e era quando dormia ao fim de semana no quarto da minha prima em casa dos meus avós (auge da minha felicidade).

Não tenho ídolos. Quer dizer, na verdade tenho um ou outro, mas nada do outro mundo. Talvez aquele jogador que nos marcou uma vida , aquele músico , o costume: Ronaldo, Figo, Robbie Williams. Quem não?!

Admiro os meus filhos e a resiliência deles. Eles são hoje os meus super-heróis! Sobretudo o Manuel, que é mais velho, apesar da sua loucura diária, que me deixa ao fim do dia esgotada. Não o estou sempre a elogiar, até porque o Manuel é o rei da birras.

A Maria Luísa é a boca do riso. É o acordar mais bonito desta casa. Apesar do que passou consegue trazer muita da calma aos nossos dias. Resumindo, os feitios são completamente diferentes.

A quarentena deles foi diferente de todas e da minha.

A minha começou ligeiramente antes da Maria luísa nascer. A do Manuel começou praticamente 1 mês e uma semana depois da irmã ter nascido (12/2019) devido ao VSR da irmã e posterior internamento dela. Foi forçado a ficar em casa para não passar mais “bichos” à criatura que tinha ainda tão poucas defesas e tinha acabado de sair do internamento. Felizmente passámos o Natal em casa! O Manuel teve "ordem de soltura" da pediatra dia 01/03/2020. De facto já se falava de covid19. Dia 06/03/2020 completou 2 anos e fez uma bronquiolite ligeira e começou a pandemia. Passado alguns dias entrámos em estado de emergência, em teletrabalho , em video-chamadas com amigos, família. Entrámos depois em estado de calamidade e depois quando as coisas começaram a acalmar agora em fase de desconfinamento. Portanto, aqui em casa o nosso "estado de emergência" durava desde dezembro, desde que a Luísa foi internada. O Manuel ia a rua sim nessa altura mas com cuidado. A partir de março deixou de ir. Entrámos não só em estado de emergência como em confinamento profundo. Posso precisar que foram 37 dias seguidos sem ir à rua em que só ia colocar o lixo e nem isso era considerado rua porque o lixo dentro do prédio. Foi posteriormente a uma urgência e continuou a sua quarentena.

Quando foi decretado estado de calamidade é que comecei a ir com ele à rua mas sempre, sempre nas minhas cavalitas dar uma volta ao quarteirão ou até ao cimo da rua e voltava, coisa que durava pouco. A primeira vez que saiu depois da quarentena e chegou a casa abraçou-me com uma força que nunca mais irei esquecer, e disse “oh mãe !” .

A Maria Luísa como é mais nova , mais bebé, não sofreu tanto, mas ficou "bicho do mato". Estranha pessoas novas. Saía única e simplesmente para as vacinas, urgências e uma consulta de rotina. Mesmo assim, conseguiu uma otite, e uma pneumonia viral em plena pandemia. Com o fim do estado de emergência , início do estado de calamidade tivemos a visita da tia . Ela estranhou muito e chorou, sobretudo com a tia que não a via tanto via FaceTime. Sim porque valham as tecnologias! Mas foi-se habituando aos poucos às “novas” caras que não são novas caras. São os que estiveram sempre connosco.

Hoje os meus filhos são os meus super heróis porque aguentaram isto que nem “gente grande” : sem furar quarentena, o estado de emergência, o estado de calamidade, o desconfinamento, e até regras de higiene. O Manuel recusa a máscara mas quando sai vem entregar-me a minha e lava as mãos dele em álcool e entrega-me o álcool para eu lavar as minhas.

Ofereci aos meus filhos muitas vezes quando vinha do supermercado um presente que o vírus lhes mandava. Foi assim, que ia tentando à medida que o tempo passava transmitir o que era o virus, o que eram as regras de estarmos fechados em casa a 4 muito tempo e o porquê.

Era uma felicidade cada presente recebido e eu sentia que  lhes amenizava a liberdade que lhes tinha sido roubada. Percebi tambem que juntos somos muito mais fortes hoje.

Feliz dia da criança meus amores, um beijinho da mãe.

463E8247-8B78-4771-84F4-A324E191ECE5.JPG

 






#omelhordomundosaoascrianças #diadacriança #maternidade #maternity #manuelbirrinhas #marialuísafuracão #desconfinar #covid #covid19


 

17
Nov18

Um recomeçar diferente

 

Nem sempre é fácil. Não vai ser. Mas vai ter de ser.

Só a palavra recomeçar assusta e me assuta.

Onde se fecha uma porta abre-se uma janela e disso não tenho dúvidas.

setembro passou a fugir e há muitos anos atrás era um mês muito triste para mim, por várias razões:

 

era o fim das férias com o início do ano escolar e a minha mãe a forrar livros e livros sem fim com papel autocolante (não me lembro se forrava os meus e os dos alunos dela também),

era o fim do colo da minha mãe e do meu pai,

era o fim dos dias a acordar tarde, a ver a fórmula 1 com o fumo do tabaco no ar.

 

Depois com a partida do meu pai há 21 anos atrás, começou a ser um setembro bem diferente. O mês da sua partida. O mês em que o meu chão de menina tinha fugido e a minha mãe tinha recomeçado a reconstrução logo desde o primeiro segundo em que o meu pai partiu. O chão que piso hoje, foi o chão que avó birras preparou para mim, e é o que eu todos os dias tento um pouco preparar para birrinhas.

 

Espero conseguir construir para ele um terço desse chão.

A minha mãe devolveu-me a doçura de setembro e o que eu pisava em criança.

 

Hoje em 2018,

o setembro foi muito mais doce e por ironia, dei-me conta que me casei há 3 anos com o Homem que faz anos no mesmo dia que o meu pai partiu.

Não rejuvesneci de novo em setembro, rejuvesneci em março deste ano. Tenho um novo Homem na minha vida.

Um novo Manuel, o meu Birrinhas.

PS #eujuroquetinhaescritoistohámuitomaistempo #virose #todosdoentesemcasa

17
Nov18

Publicidade escondida (sim isto não é bem sobre maternidade)

Queria dizer que por agora não pretendo viver do blog/página, fazer dele meio de ferramenta de trabalho, se me entendem, só se tiver mesmo, mesmo de ser. Gosto de escrever e foi para isso que o criei.

Criei-o para me libertar, de coisas boas e de coisas más. Quando era pequena escrevia muitas cartas para o meu pai. Num ataque de raiva, rasguei tudo. E hoje tenho o maior dos arrependimentos por não ter guardado as cartas. Gostaria de as reler. Gostaria talvez até de as ler à cria. Isto se calhar para dizer que a nossa geração está a assistir a uma mudança completa de profissões, de mentalidades, de pensamentos e outro dia pensei por cinco minutos que profissão teria a cria quando fosse grande. Não consegui imaginar.

 

Estou a divagar e não consigo ir logo direto ao assunto.

Já queria ter escrito isto há muito mais tempo.

 

Mas tive que fazer um “detox” forçado das redes sociais. Umas férias num local sem rede que por um lado deu para perceber o tempo que perdemos e que às vezes é tão precioso e tanta falta nos faz para a família, mas que por outro lado já não conseguimos viver sem um click no instagram ou no Facebook. Irónico isto!

 

Vamos a este desabafo (entendam assim):

 

Existem bloggers de profissão, influencers, youtubers. São plataformas que chegam a muita gente, porque são seguidas por milhares de pessoas. Tornou-se uma profissão com o avançar da tecnologia e das tendências de marketing. Sigo muitas bloggers. Gostos de muitas. Farto-me de rir com algumas. Sigo tendências de outras. Procuro produtos através de outras e acabo mesmo por os adquirir. É um facto. As bloggers chegam mesmo a muita gente.

 

Ficamos aqui:

Gosto de ver coisas boas e bem publicitadas. Sei que, sobretudo no caso das bloggers algumas coisas envolvem mesmo o pagamento, a chamada lei da oferta e da procura, como diz a A Pipoca Mais Doce “A chamada "win-win situation". Eu não me importo com isso, acho justo! Mas, acho justo se for feito de forma correta, com a transmissão de informação de forma correta. Recebam os produtos que quiserem como quiserem, chegam a muita gente, influenciam muita gente. Mas precisamente por isto, a informação precisa ser bem transmitida. Envolve trabalho, tempo, reuniões: uma série de merdocas e por isso mesmo, acho que se deveriam munir dos conhecimentos suficientes para transmitirem da melhor maneira ao público-alvo, o produto que pretendem publicitar.

 

Chegámos a um ponto que a meu ver que até nem é por culpa das bloggers mas sim das marcas que as procuram, quando se trata de produtos de saúde e isto preocupa-meé o meu ponto fraco. Sou farmacêutica de profissão e com a saúde não se brinca. Existem MUITAS pessoas que procuram informação no google, nos blogs, nos grupos de mães do Facebook, sobre produtos e como os usar e convém que a informação seja transmitida da melhor forma possível. Percebi que existe uma coisa muito gira, uma publicidade disfarçada. Também não sou contra. Desde que seja bem feita. A internet é um MUNDO. Pode ser COR-DE-ROSA. Mas pode ser NEGRO.

 

E hoje falo sobre a DEPURALINA EXPRESS que me dei ao trabalho de explorar a coisa porque já não estou a trabalhar em farmácia comunitária vai uns anos. A maioria de nós mulheres sabe que a depuralina é utilizada para a perda de peso. Mas para perdermos peso é preciso também estarmos predispostas para isso: para uma alteração dos hábitos alimentares e a prática de exercício físico. A toma de suplementos alimentares por si só, não é suficiente para a perda peso ser um sucesso e “vir para ficar”. Sim é verdade, que o excesso de peso condiciona a nossa auto-estima.


 

 

Eu própria tive excesso de peso. Emagreci, estabilizei o peso, entretanto engravidei (engordei 30kg na gravidez). Comi o quis, o que me apeteceu, fiz retenção de líquidos, não tive birras, deixei o meu coração falar).

Agora ando a tentar recuperar o tempo perdido digamos assim, sem DEPURALINA EXPRESS! A Depuralina Express contém vários ingredientes:

(consultei o folheto informativo do produto)

café verde -constituído de derivados púricos, com cafeína livre e combinada;

Crómio - ajuda a controlar o “desejo pelos doces”, contribuindo para os níveis normais de glicose no sangue

Vitamina B1 -normal funcionamento do sistema nervoso e normal função psicológica e também normal metabolismo produtor de energia

Colina – contribui para o funcionamento dos lípidos e contribui para a manutenção de uma função hepática normal

Alcachofra - é utilizada no âmbito de um regime alimentar de baixo valor energético

SlimZen – extrato de Camellia Sinensis L(L-Teanina) que dão origem ao chá vermelho, preto e brancoe Garcínia Cambogia.

Basicamente a DEPURALINA EXPRESS, é composta por um conjunto de ingredientes que fazem com que a mesma atue a nível do sistema nervoso baixando os níveis de ansiedade e consequentemente diminuindo o stress, e por acréscimo o apetite!

Atenção grávidas e pessoas a amamentar NADA de DEPURALINA EXPRESS!!!!

Desculpa Joana,

Não é só por ti, Não é só por mim, é por todas nós que sofremos de ansiedade. Que lidamos com o nosso corpo, que vemos informação por todos os cantos da internet, mas a informação deve ser transmitida da melhor forma. A culpa pode não ser tua, mas também não quero que como profissional de saúde seja minha. E tenho culpa pelos meus colegas que “trabalham e divulgam” este produto! Quem diz esta DEPURALINA, diz outras "depuralinas" e muitos mais produtos, e calhou-me este na rifa.

17
Nov18

O cicalfate!

O prometido é devido, já dizia a canção do Rui Veloso.

 

Sou farmacêutica de profissão, mas um dos meus grandes defeitos no feitio e na vida e em tudo é ser insegura. Até nisto da maternidade eu o sou. Quem não o é?!

 

Por tudo e por nada lá vai uma mensagem à pediatra com uma dúvida. Nos primeiros dias do gaiato ter nascido as mensagens eram imensas. Era tudo a acontecer ao mesmo tempo, que eu aí até tinha uma certa razão para enviar as ditas "sms".

 

Um dia, já não sei porque carga de água o gaiato tinha o rabo (epá diminutivos de "rabinho" não me apetece hoje) assado e eu virei-me para a minha mãe:

 

Eu - Se calhar mandava uma mensagem à pediatra a perguntar o que é que meto no rabinho do bebe! (por acaso aqui disse rabinho sim!) O que achas?

 

Avó - Desculpa lá, mas eu andei-te a pagar um curso para que?! Realmente, tu chumbavas e repetias cadeiras vezes sem conta (ela tem uma certa razão aqui). Tantos exames repetidos? Tanta coisa, para tu agora nem saberes que creme é que has-de por no rabo do gaiato?! Mas tu tens medo do que?

 

No fundo, no fundo eu sabia que o Bepanthene pomada (que usei nas gretas dos mamilos e desconhecia esse uso- outra coisa que talvez fale) e que o uriage 1er change que até tinha cá em casa, podiam resolver a questão. Mas queria ver o que é que a pediadra dizia. E para a mim o que a pediatra da cria diz é SAGRADO!

 


 

Na minha visão farmacêutica e agora fazendo um pouco serviço público, o cicalfate é um creme cicatrizante e regenerador da pele devido à associação de sulfato de cobre com sulfato de zinco. O ingrediente ativo original do cicalfate é o sucralfato, o que permite um rápido estabelecimento do conforto cutâneo.

 

Para nós, mulheres :

Agora sem ser na minha visão farmacêutica. Podemos usar no pós-parto para facilitar a cicatrização dos pontos do pipi (sim , isso mesmo, o meu obstetra tinha-me indicado um creme para cicatrização da vagina. Na altura do puérperio. Logo a seguir porque tive alguns pontos que infetaram. Não me recordo qual foi o creme que o obestetra me recomendou, mas sei que já nem estava em comercialização. Contactei com ele para que me recomendasse outro e a resposta que obtive foi "use cicalfate".

 

Algumas vezes usava debaixo das mamocas. Nunca tiva as mamas tão grandes em toda a minha vida, com a subida do leite e durante a amamentação. Quem tem peito pequeno compreende perfeitamente aquilo que eu estou a escrever neste momento. Na altura fiquei com alguma vermelhidão vá que experimentei usar cicalfate e aliviou-me bastante.

Tambem usei nas gretas dos mamilos mas só depois do fim da amamentação.

 

Para nós, mães:

para usar nos nossos rapazes/raparigas, na assadura do rabo, parece quase imediato (nas assaduras maiores não sei, felizmente ainda não tive esse experiência mas se chegar a ter depois darei feedback sobre o assunto se assim o desejarem), feridas de todo o tipo (exemplo : arranhadelas - a minha cria é exímia em se arranhar em qualquer lugar da cara durante (e eu corto as unhas dia sim dia, dia não - as unhas crescem à velocidade da luz é verdade)), vermelhidões que surgem do nada em quase todas as partes do corpo (menos olhos, interior do nariz.

 

Concluindo: o cicalfate é dos meus produtos favoritos para usarmos nos bebés. Em modo mais fino, está na minha "wishlist".

17
Nov18

A escrava Isaura, A Gata Borralheira e Eu!

 

(imagem retirada da internet)

 

Tive uma semana inteira e uns dias sem escrever aqui.

 

Foi uma semana difícil. A vários níveis. Fiquei finalmente independe, ou melhor a minha mãe deixou de me poder ajudar em todas as tarefas cá em casa e coitada, muito a avó birras ajudou .

Começei a desenrascar-me sozinha com a cria, com o Homem, com a roupa, com as refeições da cria, com as nossas refeições, com a casa, com tudo.

Portanto eu sou só só uma. E o meu feito também é só meu. E numa manhã do fim de semana acordei e disse para o homem:

"Tenho três coisas para te dizer: Ou arranjamos uma empregada a partir de setembro, ou em setembro fico internada no Júlio de Matos, somos nos que nos adaptamos aos horários da cria".

 

 

Não vou referir a outra coisa porque sinceramente os meus neurónios de mãe e de pós-parto não me estão a permitir no momento lembrar-me o que era, ou se calhar na altura não era assim tão importante e agora já não o é também. Coisas de gaja!

Isto tudo para dizer que durante a semana me senti Mãe, às vezes ama, outras uma babysitter (quando o homem chega a casa). Mas aqui a culpa é só minha. Não tivesse feito o filho. O filho é meu. Amo-o de paixão. Adoro-o. Adoro-o ainda mais quando ele está a dormir. Quando está possuído pelo demónio adoro-o à mesma e quando tem alguns ataques de bipolaridade (não chamem a CPCJ por isto pff, eu digo que o meu filho tem ataques de bipolaridade porque tão depressa ri como chora) adoro-o na mesma. Durante o dia a casa está toda arrumadinha somos só os dois, eu e a cria

Ao fim de semana a coisa piora de figura. Tenho duas crianças em casa. O homem e a cria.

Começa logo a cama por não ficar feita (a nossa). Depois toda a cozinha fica um caus. O homem quer dar o almoço à cria, não acorda quando é suposto acordar dar o almoço, enfim. Sou eu que dou o almoço, e tudo se atrasa, tudo um drama.

Aqui seria a altura da gata borralheira, aspirar, fazer a cama de lavado, basicamente entrar em ação, mas entra tarde ao serviço e às vezes não entra ao sábado e este fim de semana não entrou sequer ao domingo.

(Vou continuar a escrever este texto no dia seguinte pois a cria vai ao urban sorry :) )

E não que estou mesmo a escrever ao fim do dia, a cria foi ao urban o dia inteiro, tive direito a after party e a sunset e tudo e tudo e depois a final do dia com as duas crianças, um espetáculo!

Continuando, e terminando muito rápido.

A gata borralheira não entrou este fim-de-semana. Entrou muito tarde. Para ser sincera, entrou praticamente hoje, e isto para dizer que me senti assim durante o outro fim-de-semana em que fui isto tudo que expliquei.

Explodi.

Neste último fim de semana fui só mãe porque assim teve que ser, mas mesmo assim senti-me, a gata borralheira e mãe de duas crianças, e ainda quero ter mais uma criatura. (não é já calma!). E continuo a ser só uma. E não acho que as mulheres tenham de fazer TUDO em casa (sim ainda hoje fiz). As tarefas têm e devem ser divididas se as coisas forem muito bem conversadas (aqui já tiveram que ser!).

Eu sei, eu tou estou sempre a queixar-me, pode ser que isto passe, ou talvez não.

17
Nov18

As birras da mãe #1 - O pós-parto

Isto é tudo muito bonito. As pessoas vão aos cursos de preparação para o paritório mas o que é certo é que não nos preparam para o pós-parto.Isto é para mim a grande verdade que retiro do meu primeiro filho.

Aviso desde já os homens mais sensíveis que se não quiserem continuar a ler podem parar por aqui. A leitura deste texto leva tudo para campos muito reais e se estão próximos de serem pais podem ficar traumatizados, não quero de todo isso. Quando forem pais, vão estar preparados à força para estas situações, não vão ter outro remédio basicamente. E se forem homens a sério apoiam as vossas mulheres incondicionalmente em tudo!!! O meu foi e é um Homem.

 

(imagem retirada da internet)

 

Deixo algumas coisas que das quais não estava preparada para o pós-parto:


 

 

 1 – Tratar muitas vezes do pipi – Pára tudo!!! Aqui a culpa também foi minha, segundo a avó birras. Na última consulta antes do parto pedi ao médico para não fazer a episiotomia (corte ao períneo para facilitar o parto). Ele disse que a sua política era só fazer em último caso. O miúdo foi teimoso desde que nasceu. A enfermeira direcionava a cabeça e ele mudava a cabeça. A enfermeira mudava a cabeça e ele mudava a cabeça. Dizem que os bebés nascem a ver os rabos das mães. Comigo não foi bem assim e por isso o miúdo rasgou-me o períneo todo. Aliás demorou mais a cosedura do que o parto em si. A avó birras teve de me tratar duas vezes por dia com soro fisiológico e cicalfate (um dia falarei sobre este produto, é milagroso para tudo juro) para os mais de vinte e tal pontos não infetarem porque eu não via nada ainda. Não saí de lá com a barriga como a da Patrocínio (não é inveja relaxem) e por isso a minha ainda estava grande. É óbvio que não envolvi o pai birras nesta situação, tive vergonha confesso. Desculpem os pormenores, mas é só para o caso de acontecer com vocês e estarem preparadas. Desculpem lá qualquer coisinha.

 

2 – Perdas de sangue – Ora bem, as perdas de sangue chamam-se lóquios. Depois do bebe nascer, da placenta sair etc etc, a mulher continua durante algum tempo a ter perdas de sangue (eu por acaso perdi sangue durante quase dois meses, fui perdendo com menos intensidade) que muitas vezes vêm em formas esquisitas tipo salsichas estão a ver?Não! Eu também não estava, até subir ao quarto onde fiquei instalada durante quase dois dias e fui à wc assim que lá cheguei e quiseram que eu me levantasse! Fiquem só a pensar e se quiserem façam uma pesquisa básica no google que encontram logo imagens de lóquios. Quando me levantei da sanita tive quase logo um reflexo vasovagal (um badagaio vá).

 

 

(imagem retirada da internet)

 

3 – Usar Fraldas – Sim o bebe tem de usar fraldas, mas agora a mãe não fazia a menor das ideias. Não fiquei ofendida com o assunto. Tinha sempre na ideia de que nascemos a usar fraldas e morremos a usá-las mas nunca me ocorreu que no meio da nossa vida sobretudo na maternidade tivéssemos que usar. Sim eu tive que usar e foi a maneira mais confortável que arranjei para contornar a situação das perdas de sangue. Os pensos que me eram dados no hospital eram enormes gigantes, ficava super desconfortável e comecei a pedir que me dessem fraldas. Era muito melhor. Quando vim para casa o Pai birras foi logo buscar o L mas pronto eu vestia o M ( é sempre bom os homens acharem que estamos mais gordas do que na realidade estamos). Ainda usei durante uns bons 15 dias.

 


4 – Hemorroidas – Este tema é muito comum durante a gravidez e após a gravidez. Em mim é comum a vida toda. É genético basicamente. Mas convive-se bem com a coisa e todos os males do mundo fossem esses. No entanto até tem a sua parte engraçada. Durante a gravidez e com o avançar do tamanho da barriga eu já não via o que é que estava realmente a limpar. Cada vez que ía à wc tomava banho e lá tinha que colocar as ditas para dentro e colocar pomada, muita pomada e tomar dois daflons no máximo por dia! Sinceramente não sei se ajudava nem deixava de ajudar. O que é certo é que comigo o pós-parto as hemorroidas melhoraram. Nem tudo é mau, vejam! Cada caso é um caso. Isto para dizer que depende sempre de mulher para mulher TUDO mas tudo mesmo!

 

 

5 – A subida do leite – Durante a gravidez o peito aumenta de volume. No meu caso isso foi maravilhoso, visto que eu tenho um peito pequeno. Não vou falar da amamentação agora (falo depois prometo). Vou falar mesmo da subida do leite em si. No tempo em que estive na maternidade enquanto estamos a amamentar, damos o colostro (o primeiro leite materno) eu tive dores demoníacas, tipo contrações. É o útero a contrair a ir ao sítio.  Esta parte também é boa, os lóquios são expulsos mais depressa e o útero acaba por regressar mais depressa ao normal. Significa que está tudo a voltar à normalidade. Mas porra, aquilo doía mesmo. Quando vim para casa enquanto amamentava continuou a doer durante uns bons dias. (Um à parte o miúdo até saiu da maternidade sem perder peso). A subida do leite nunca mas nunca acontece na maternidade, mas sim em casa e isto eu também não estava preparada. Fiquei com o peito em pedra, cheia de dores, a arder em calor, com febre, as mamas descaídas, parecia uma autêntica vaca leiteira, uma sensação completamente animal. O ser humano, é mesmo um animal. E o bebe é um ser complemente dependente. Existem animais que quando nascem, nascem menos dependentes do que os seres humanos, se pensarmos nisto.

 

(imagem retirada de internet)

 

Isto é a maternidade real.

17
Nov18

3 meses e uma caixa do Ikea

A cria fez 4 meses e eu decidi que ía arrumar tudo o que não lhe servia . Não sabia a dor que isto me ia causar . Não sabia a nostalgia que ia sentir . Toquei na primeira roupa que ele usou , no saquinho em que levei a primeira roupa , na manta que a maternidade usou para o enrolar na sala de partos depois de o sentir no meu peito sem ter frio e as lágrimas caíram.

 

Mas eu continuei ali firme a arrumar tudo como se nunca tivesse sido usado . Depois começei a olhar para as primeiras roupas , os bodies, os babygrows , os gorros , as botinhas , a roupa da saída da maternidade . E pensei : “porra já passaram 3 meses e eu já passei tanto e ele já tem 4 meses Oh tempo volta para trás “ .

 

Depois as roupinhas que a avó birras comprou a pressa porque o bebe nasceu pequeno . Depois os babygrows oferecidos pela tia velhota birras , pela prima , por mim , pelos “tios” emprestados.


 

 

Passei a gravidez toda a dizer que não ía ter saudades da barriga porque não gostava de estar grávida, porque o meu corpo mudou e eu parecia as vaquinhas dos Açores . Passei  o tempo a queixar-me dos males das grávidas , da azia , da ciática , do engordar , da falta de sono (sim em muitas grávidas é o sono e o sono e o problema do sono mas eu tive insónias ) , das dores nas costas , da tosse que tive sem parar durante dois dias e achava que cuspia o miúdo pela boca .

Enfim queixei me de tudo e um par de botas. Depois ele nasceu , queixei-me das dores dos pontos a cicatrizar, da subida do leite , dos pontos infetados, das dores da amamentação ! Sim amamentar é muito importante e eu queria muito, queria mesmo, Aliás durante a gravidez pensei mais na amamentação do que no parto !

Tinha imensas dores a amamentar , de madrugada mordia o homem para o miúdo não ficar nervoso e durante o dia dava pontapés no sofá . E levei assim 3 semanas . Não desisti . No dia em que a pediatra me disse que ele não tinha engordado e que precisava suplemento , caiu-me o chão . Senti-me a pior pessoa do mundo por o meu filho não ter engordado . Suplemento e mama durante duas semanas foi a solução . Ele rejeitava a mama (preguiçoso em tudo !!!) , arranjei mamilos de silicone para a coisa melhorar ( nem por isso) , comprei uma bomba para tirar o leite , (15 ml em 4 horas , muito pouco) , o obstetra mandou secar o leite porque não valia a pena ( a bomba era suposto estimular a produção eu só tirava aquela quantidade).

No dia que ele me mandou secar o leite chorei baba e ranho no duche enquanto as mamas estavam duras como pedras . Mas enquanto isso o miúdo começou a ganhar peso e eu comecei a ganhar forças .

Não me faltou a coragem na amamentação mas foi a melhor decisão para o meu filho . Apoio a amamentação e tive imensa pena de não o ter feito. Espero conseguir com o próximo ou próxima.

Isto para dizer que arrumei 3 meses de vida numa caixa do ikea , mas não arrumei 3 meses de vida no meu corpo , na minha cabeça e no meu coração.

Tenho muitas saudades destes três meses e nove meses (em que era só meu).

Repito muitas vezes “nunca mais vais ter 2 meses , 3 meses , nunca mais vais ser pequeno".

Numa caixa do ikea não cabe NUNCA mas NUNCA aquilo que eu aprendi e ganhei em 3 meses. E não, não se assustem que não estou a comparar o miúdo a uma caixa do ikea.

17
Nov18

Ser mãe começa aqui!

Faz precisamente hoje um ano que descobri que estava grávida e faz precisamente um ano que tudo mudou. Acho que não existe melhor maneira para começar "isto"! Realmente nunca me vou esquecer da forma como soube que estava grávida.

Uns dias antes, aqueles dias em que estamos com as hormonas ao máximo porque a menstruação vai aparecer e que eu fico mesmo possuída pelo demónio. Esses dias desandaram do meu corpo. E eu estranhei. No fim de semana antes de saber a novidade tínhamos tido casório e eu recusei-me a beber álcool, ao que aquela criatura que vive comigo ( aquilo a que chama marido) disse "deves estar doente!". Bebedêras À parte não bebi álcool e até acabámos o casamento cedo porque eu estava enfastiada (sem vontade vá). Estava imenso calor e eu recusei logo o primeiro gin que o marido me foi buscar (noutros tempos eram carradas deles e o pior é que não era só gin...). Nessa noite tinha as mamas doidas o que não era muito normal em mim e até comentei com o homem "não metas já ideias se não ficas triste" e eu adormeci.


 

Cheguei a Lisboa, não disse nada a ninguém e no dia antes que o "dito" era suposto aparecer fui fazer um exame ao sangue e nesse dia à noite comentei com o Homem.

-Olhá lá este mês não notas que ainda não mandei tudo pelos ares?

Se calhar até estás mais bem disposta (e riu-se, como ele faz sempre. Ele é daqueles maridos que fica cego a ver tv e quando toca ao NCSI então, tudo aquilo que digo é como se falasse com uma parede!)

Sim eu era daquelas mulheres pressionadas pela sociedade e por mim mesma e principalmente por mim mesma porque era uma coisa que queria muito, engravidar. Parecia que era estalar o dedo e estava lá uma grávida ao meu lado. Pedi ao analista para me mandar o resultado por e-mail para ser mais rápido, achava eu. Mas só vi no dia seguinte quando me levantei e me sentei na sanita (quem nunca?).

- Acorda c@€&££@ tou grávidaa! Tens de vir aqui!!

Sim foi assim que o Homem soube que ia ser pai ( a sério??). Levantou-se assustado (ainda me perguntou se tinha caído) e foi-me abraçar e ainda rematou :

- Pronto ao fim de tantos testes negativos (foram só sete), este deu positivo! (mas no fim do dia deu-me um cartão super fofi!)

 

 

Só para acabar e para dar mais uma "achega" no meu grau de pessoa que gosta de recordar tudo. Fiz um teste daqueles da farmácia que dá as semanas. Esqueci-me só que aquilo ao fim de um tempo apaga as semanas. ( e sim só descobri quando à poucos dias fui à nossa caixa de recordação e o teste estava lá ).

 

E pronto ser mãe começou precisamente aqui, neste dia! E é tão bom recordar!

#
Sou filha
Sou mulher
Sou casada
Sou mãe
Não quero birras, mas todos temos as nossas!
Este blogue fala das birras de uma mãe, de um pai, de um filho, de uma avó (e restante família) e fala das birras da vida em geral, da maternidade e das birras da sociedade.

Contato

ainaosemexe@gmail.com

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D